Menu

Os desafios da mobilidade urbana na cidadade

04/06/2019 - Sustentabilidade
Os desafios da mobilidade urbana na cidadade

Campinas e a cidade de São Paulo formam o primeiro macro metrópole do hemisfério sul, também conhecido como Complexo Metropolitano Expandido, regiões populosas e economicamente acima da média do país. Consequentemente, requer uma atenção na complexidade da mobilidade urbana.

Assim como a cidade de São Paulo, Campinas protagonizou o progresso dos automóveis como a solução viável na mobilidade urbana no século passado, tendo influência significativa com o Plano de Avenidas no centro da cidade de São Paulo na década de 1930 e idealizado no Bairro Jardim Chapadão de Campinas na década de 1940 com a Torre do Castelo, que considerava o ponto central e amplas rotas para todas as regiões da cidade e conectadas por vias radiais, idealizada pelo engenheiro Prestes Maia e influenciado em grande parte pela cidade de Paris e o Arco do Triunfo.

Enquanto que as áreas centrais se esforçavam em melhorar a fluidez da cidade com o Projeto Rótula de 1996 em função do crescimento significativo dos automóveis, as regiões periféricas, impulsionada pelo desenvolvimento econômico no parque industrial de Campinas e conectado com um dos maiores aeroportos de cargas, o Viracopos, teve um crescimento desordenado e, muitas vezes, com ocupação do solo de forma irregular.

A região periférica na zona oeste de Campinas se tornou uma cidade a parte com uma população em torno de meio milhão de habitantes, que atualmente sofre, entre outras coisas, com a mobilidade e acessibilidade, principalmente pela falta de planejamento urbano ao longo do tempo.

A solução viável para o planejamento de mobilidade e de transportes na região carente está no conhecido BRT – Bus Rapid Transit, que é uma alternativa idealizada na década de 1970 pelo urbanista Jaime Lerner na cidade de Curitiba, que ficou conhecido em nosso país após o reconhecimento mundial em países desenvolvidos.

Com baixo investimento, o BRT faz o papel do VLT – Veículo Leve Sobre Trilhos, que inclusive a cidade teve nos anos de 1990 e foi à falência após cinco anos de operação por baixa procura devido à falta de integração com os ônibus ou até mesmo por falta de integração entre os governos estadual e municipal.

Atualmente a cidade passa por mais um desafio, conhecido como Rapidão, o BRT campinense tem o desafio de mobilizar as comunidades da zona oeste. Estão previstos atender 200 mil passageiros por dia em cinco terminais e 30 estações. São vias arteriais conhecidas da população como a Av. John Boyd Dunlop e a Av. das Amoreiras, que serão conectadas com a via do antigo VLT campinense. O que anteriormente havia uma restrição por ônibus convencionais de transportar 10 mil passageiros por hora por sentido, o BRT promete um deslocamento de até 25 mil passageiros por hora por sentido em cada uma das vias.

Booking.com

Porém, como toda obra de grande porte com dezena de viadutos e pontes com o intuito de ter maior fluidez no transporte público e atender o Plano Diretor de Campinas e a Lei da Mobilidade Urbana sancionada em 2012, ainda há oportunidades de melhoria, elencadas como desafios para os próximos anos, que são:

Lições aprendidas com o VLT campinense devem sempre ser levadas em consideração, como a garantia e facilidade na acessibilidade associada com a segurança nas estações. Se o número de pessoas a ser transportada aumenta, também eleva a passagem de pedestres aos terminais e estações. Acessos locais por passarelas, tanto na antiga via do VLT como nas avenidas serão primordiais para o sucesso da obra viária.

Ciclovias não foram contempladas em paralelo com as obras do BRT, que poderia ser um grande diferencial e exemplo para outras cidades. Os aclives e declives que justificam a não construção dessa via até o centro da cidade pode ser um argumento a curto prazo, que se transforma o tempo todo, como a oferta de bicicletas e patinetes eletrificados e compartilhados. Promessa de bicicletários nas estações como nos terminais e ciclofaixas na região é uma saída, mais de certa forma obriga de forma natural a opção de continuidade pelo BRT ou a circulação de bicicletas e assemelhados na via exclusiva do Rapidão, que pode gerar acidentes devido conflito de modais no mesmo local, independentemente se será ou não permitido o acesso.

No quesito ainda segurança, as antigas vias do VLT campinense devem ter barreiras físicas para evitar a circulação de pessoas fora dos acessos à estação. Vias expressas, mesmo com controle de limite de velocidade dos ônibus apropriados a esse trajeto, tendem a ser riscos eminentes de atropelamentos. Outro ponto associado está em alguns trechos o compartilhamento com os automóveis e motocicletas, que deveria ser todo o tempo segregado, podendo estimular o uso dos veículos motorizados individuais e concorrer com o transporte coletivo.

Na definição do veículo do transporte coletivo, seja o ônibus convencional, articulado ou biarticulado, terão exclusivamente o acesso por plataforma, que não terá a necessidade de degraus. Por um lado, facilita a acessibilidade, visto que o pagamento da tarifa será feito na plataforma, mas terão os ônibus somente para o BRT. Os últimos terminais do BRT serão servidos pelo BRS – Bus Rapid Service, que farão o papel de integração do BRT e paradas determinadas para aumentar a agilidade no transporte. Como serão novos, alternativas de propulsão sempre são bem-vindas, sejam por motores híbridos, elétricos ou até mesmo com combustível renovável como o etanol.

Em suma, os desafios são grandes, assim como a gestão de conflitos atualmente com as obras em andamento, que reduziu significativamente o fluxo de veículos, principalmente na Av. das Amoreiras, com trechos com apenas uma faixa compartilhada com automóveis, ônibus, caminhões e motocicletas. Desvios são saídas úteis agora com as obras e poderão ser alternativas com a transformação da mobilidade urbana na região em 2020. Para 2030, quem sabe a substituição dos BRTs aos VLTs? As vias estruturais continuarão prontas e a qualidade, tanto na condução, como na redução de emissão de gases poluentes, poderá se tornar referência ao país.

Luiz Vicente Figueira de Mello Filho: Formação em Engenharia Mecânica, Mestrado em Engenharia Automotiva. Atua há mais de 20 anos na indústria automobilística com experiência em empresas multinacionais e coordenação das áreas de Engenharia de Produção, Serviços e Pós-Venda. Atualmente é professor e Coordenador do Curso de Engenharia de Produção da Universidade Presbiteriana Mackenzie Campinas.

IMPORTANTE: As informações e opiniões contidas neste texto são do autor e não necessariamente refletem a opinião do Dicas de Valor.

LEIA NOSSOS ARTIGOS
Somos uma comunidade de mais de 2.000 leitores qualificados interessados em Gestão, Empreendedorismo, Startups, Tecnologia, Economia, Neócios e Networking recebendo nossa newsletter com as informações e opiniões.
We hate spam. Your email address will not be sold or shared with anyone else.

Uma opinião sobre “Os desafios da mobilidade urbana na cidadade

Marina

Artigo bastante informativo. Sou leiga no assunto e apreciei saber mais sobre as complexidades existentes no processo de mobilidade urbana. Restou saber se os planejamentos contemplam as leis de acessibilidade e quiça privilegiam as pessoas com necessidades especiais (por exemplo: deficientes visuais, paraplégicos)

Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: